Páginas

domingo, 28 de março de 2010

vazio

Não era esse fim que eu esperava
mas as coisas tomaram esse rumo,
ando com uma espécie de conformismo
absurdo, onde não me liberto e
debaixo dele tenho a impressão de não
sentir esperança

E eu fiquei aqui, tão eu, tão ninguém
solto no deserto de imagens imaginárias
sobre o amor, felicidade
e o caralho a quatro

tenho uma sede louca e escondida
que me brota do mais escondido de mim
do mais escuro canto meu

enlouqueço e grito pra dentro
cavo encontros frustrados em mim

oscilo entro a ilusão e o desejo


Só tenho feito três coisas esses dias
comer, dormir e foder

O que poderia me dar felicidade ja não
existe, foi-se quando não me dei conta
e aceitei o habitual e instantâneo,

procuro insaciadamente suprir
acalentados desejos obsessivos,
na tentativa de brotar felicidade
onde ja não cabe em mim

onde é só, fumaça, pó e cinza...

meu coração ja não existe!


(Celso Andrade)

3 comentários:

JeffCruz disse...

Adorei muito!! O que remete a Solidão.. tbm fantastico.. !! Parabéns .! Tenho um conto novo lá viu.. depois faz uma visitinha.. bjuss e se cuida

Robson Rogers disse...

Vais perceber que existe. talvez primeiro terás que redescobrir as verdades. Ver a vida com outros olhos. Mas para isso.. terás que perder os olhos e o coração... primeiro.

Mateus Araujo disse...

Puts to igual!
SKAOSKAKSAOKSASKA
Sem ter o que sentir, buscamos suprir esses desejos loucos
que nem sabemos de onde saem.. e por que saem...
Muito bom poema *_*

Abraçãooo