Páginas

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Coração sem melodia


O teu violão desafinado
ainda provoca-me arrepios,
e sempre confinada
vive minh'alma afogada
e afobada em teu som
desgrenhado, onde
encontro-me vivo
desabado em suas cordas
tortas querendo amar a
tua canção também desafinada,
ah seu tivesse o poder de
iludir, compraria um piano
também desafinado,
para acompanhar-te
nessa melodia sem dono
e sem casa, não tenho
dinheiro para o piano
e resolvi soltar minha voz,
porém afinada apenas no dó,
de você e dessa gente que
ouve bem essa canção, que me
extremesse, e me eleva,
resolvi partir, assim livro-me
de ti e da música que faz palpitar
tantos corações dissolvidos em acordes
e arpejos consonantes desse seu violão
de uma corda sol.

Celso Andrade.


Um comentário:

Robson Rogers disse...

Encantador teu poema. Encantador! =)