Páginas

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Coração prostituto


Depois que separei-me meu coração ficou em estilhaços,
deixava rastros em todos os lugares que ia
estava em todas as casas que visitei,
todos os cantos da cidade,lá estava mais uma parte de mim,
porém não ficava, era apenas um fragmento de um todo amoroso,
que não chegava a ser amor, foi dura a separação,
dias tentando recompor seu corpo, em meio a tantos corpos diferentes,
que nem ao longe pareciam o seu,
algumas vezes culpado por não poder ficar,
outras apenas frustração de ter usado meu corpo
como meio de encontrar algo que pudesse substituir
a única pessoa com quem compartilhei toda minha intimidade.
sim foi o único,puramente amado como ninguém,
essa luxúria que fui envolvido não passava de uma vertigem,
conduzida pelo meu corpo, para dar prazer a tantos
quanto solicitasse a minha presença, por mais que tivesse envolvido
em um jogo amoroso, havia algo que não era deletério, seu beijo
gosto molhado que guardei bem ao fundo da minha garganta.
Fiquei só, abandonado nas trevas da separação,a minha volta
apenas perigo de cair como peixe em alguma rede sem proteção
diferente da que estava vivendo com ela, esperei, hoje vivo
na ilusão de encontros e esquecimentos, diferente do amor
que estava acostumado a viver.


Celso Andrade.

Um comentário:

Robson Rogers disse...

Mas que bela história Celso. Gostei. Um toque de sarcasmo ao fundo. Abraço