Páginas

quarta-feira, 9 de junho de 2010



Sábado é um dia dia florido para muitos,
mais hoje preciso do canto,
do meu aconchegante lugar de reflexão,
o telefone não para de tocar
e então cedo às vozes alegres e festivas
chamando-me para mais um dia inventado
eu sei que todo mundo diz que preciso ter uma vida social,
que não posso me afastar das pessoas,
não é nada disso que estou querendo,
a pouco tempo da janela de casa
vejo a rua ser tomada por gentes de todos os cantos
vejo o quanto é sofrido não estar mentalmente preparado
para a verdade-fútil-de-certas-festas-sem-noção.
Preparo-me a rigor e antes de trancar a porta
coloco no bolso caras e bocas, frasezinhas ensaiadas
nãosoucalado, estoumedivertindotanto, comoémesmoseunome?

Desço o elevador treinando simpatia e recepção.

(Celso Andrade)

6 comentários:

Naty Araújo disse...

Adorei, Celso..
Tem dias que necessitamos ficar só, no canto, em silêncio e observando.

Isso abastece nossa alma.

Beijos

gorettiguerreira disse...

Um olhar de sua janela e com repúdio a hipocrisia de de comemorar apenas em um dia... o que por vezes não é demonstrado o ano inteiro.
Bjs de carinho; Goretti

Priscila Lima disse...

belo poema.

Ana Agarriberri disse...

"...Desço o elevador treinando simpatia e recepção."

Gostei daqui. Beeejo, seguindo.

Robson Rogers disse...

Já me peguei pensando várias vezes sobre como somos futeis ou utilizamos de falsa simpatia. cheguei à conclusão que não as usamos pelos outros que queremos encantar; as usamos pela insegurança; o temor de falta de encantamento próprio. As usamos para nos pseudovalorizar. Somos nós nossas vítimas de falsidadese futilidades... E todos somos assim em até certo grau. Temos todas as essencias em graus e niveis diferentes. não somos bons ou ruins; somos justos através do que nós entendemos por justiça. Como sempre; muito inteligente tuas escritas.

Guilherme Navarro disse...

Dessa plasticidade que a vida às vezes impõe eu morro de preguiça.